Ministério Público ajuíza ação civil para prefeitura de Arapiraca suspender contrato de mais de R$ 20 milhões com Oscisps

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O Ministério Público do Estado e Alagoas, por meio da 4ª Promotoria de Justiça, ajuizou ação civil pública para, que, em caráter de urgência, a prefeitura de Arapiraca suspenda as parcerias firmadas com o Instituto Viva a vida, a Elo Social de Gestão Pública – ELO e o Centro de Integração Pública e Social. O valor das parcerias soma R$ 21.308.650,84. O município fica proibido de efetuar qualquer repasse às referidas Organizações e o descumprimento resultará em multa diária de R$ 20 mil, a ser aplicada pessoalmente ao prefeito Rogério Teófilo.

De acordo com o promotor de Justiça, Rogério Paranhos, a ação foi proposta porque o município de Arapiraca firmou parcerias sem publicar editais de concurso de projetos, conforme o previsto no Decreto nº 3.100/99, que regulamenta a Lei nº 9790/99 ferindo os princípios da legalidade, da publicidade, da eficiência, da moralidade e da impessoalidade.

“Foi comprovado que as OSCIPs que firmaram parceria com o município sequer passaram por uma disputa, conforme o determinado pelo edital de concurso de projetos. Além disso, não há a menor garantia de que os expressivos valores que estão sendo repassados às OSCIPs são realmente necessários e se outras organizações poderiam apresentar custo menor para os mesmos serviços. Está mais do que evidente o perigo do dano que tais parcerias podem acarretar ao erário em virtude do montante de recursos envolvidos que ultrapassam vinte milhões”, ressalta o promotor de Justiça, Rogério Paranhos.

Em ofício enviado à 4ª Promotoria de Justiça, o procurador-geral do município de Arapiraca alegou que “firmou parcerias em virtude das limitações financeiras do município sob comento, fixadas pela Lei de Responsabilidade Fiscal, e da necessidade de regularizar as contratações dos servidores.

Entretanto, assegura o promotor Rogério Paranhos, o prefeito e os secretários municipais que assinaram os termos das parcerias não observaram vários dispositivos na Lei 9790/99, tampouco no Decreto 3.100/99, o que acabou por ofender diversos princípios constitucionais, colocando em risco o erário municipal. A falta de planejamento, o atraso ou a omissão do administrador , não podem servir de argumento para dispensar processos licitatórios ou editais de concursos de projetos, como é a hipótese dos autos, uma vez que o gestor deve observar o princípio da eficiência, de previsão constitucional, nos termos do artigo 37, aplicável à administração pública”.

Outro agravante é que para firmar as parcerias não houve consulta prévia ao Conselho Municipal de Assistência Social, tampouco manifestação prévia do Conselho Municipal de Educação e do Fundeb de Arapiraca. As duas condutas desrespeitaram a Lei e o Decreto já mencionados. A análise do caso sob a ótica da improbidade administrativa será realizada oportunamente, em autos próprios de investigação.

“Tal conduta, por si só, já é mais do que suficiente para macular todo o processo de celebração dos Termos de Parceria firmados entre os réus”, conclui o promotor Rogério Paranhos.

A ação foi distribuída p a 4a. VARA d Arapiraca, e aguarda decisão do juiz Geovanni Alfredo de Oliveira Jatobá. O Núcleo de Defesa do Patrimônio Público (Nudepat) com atuação dos promotores José Carlos Castro e Karla Padilha, ajudou na ação.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas