Procurador-geral de Justiça pede a prisão de prefeito de Rio Largo

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O procurador-geral de Justiça, Eduardo Tavares, denunciou nesta quinta-feira o prefeito de Rio Largo, Antonio Lins Souza Filho, o “Toninho Lins”, pelos crimes de apropriação de bem público, alienação ilegal de bem público, formação de quadrilha e dispensa ilegal de licitação. O procurador-geral requereu ao Tribunal de Justiça a prisão preventiva do prefeito. Liderando o grupo criminoso, Toninho Lins adquiriu e depois vendeu, em nome e com recursos do município, uma área de 252,4 hectares por R$ 700 mil. No entanto, o valor original da área ultrapassa os R$ 21,4 milhões, segundo dados da própria Prefeitura de Rio Largo. No local passou a ser construído um loteamento particular.

As investigações foram conduzidas pelo Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) – que no dia anterior conseguiu a prisão de nove dos dez vereadores e um suplente, que também participaram do esquema, além de empresários e servidores do município. Foi constatado que o prefeito e um grupo de empresários do Pará, ao lado dos vereadores, montou a fraude para desapropriar as terras da Usina Utinga Leão por preços abaixo do valor de mercado e, em seguida, revender o local para um empreendimento imobiliário. Inicialmente a área serviria para construção de um conjunto residencial para população de baixa renda do município.

Segundo a denúncia, em junho de 2010, os empresários Moisés Carvalho Pereira, Luiz Pereira Martins, Marcelo Pereira Lessa e Antonio Lucena Barros montaram a MSL Empreendimentos Imobiliários Ltda. Em paralelo, o prefeito desapropriou as terras da Usina Utinga Leão que sequer questionou os valores abaixo do mercado pelos quais a área estava sendo entregue ao município de Rio Largo. O decreto foi assinado em novembro de 2010. Oito dias depois, o prefeito solicitou aos vereadores a alienação da área para “empresas que estivessem dispostas a realizar programas e ações habitacionais de interesse social” em Rio Largo.

Com isso, o prefeito também solicitou que a aquisição do terreno fosse dispensada de licitação. Em apenas dois dias, o processo tramitou e foi aprovado por unanimidade na Câmara Municipal de Rio Largo. Os vereadores Cícero Inácio Branco, Milton José de Pontes Filho e Reinaldo Cavalcante Moura, que participaram do golpe, opinaram pela aprovação do projeto, assim como os vereadores Thales Luis Peixoto Cavalcante, Jefferson Alexandre Cavalcante e o servidor Jean dos Santos Silva. Além deles votaram a favor os vereadores Aurízio Esperidião da Hora, Ionaide Cardoso Martins, José Nilton Gomes de Souza, Luiz Phellipe Malta Buyers e Maria das Graças Lins Calheiros.

O procurador-geral destacou que todos agiram seguindo determinações do prefeito Toninho Lins. Assim como os vereadores e os donos da MSL, os empresários José Paulo Cavalcante Neto e Jorge Octaviano Ferreira Dubeux, diretores da usina, também tiveram mandados de prisão expedidos pela 17ª Vara Criminal. Toninho Lins infringiu o artigo 1º do Decreto Lei 201/67, os artigos 299 e 288 do Código Penal e o artigo 89 da Lei 8666/93, a Lei de Licitações. As penas somadas podem chegar a mais de 10 anos de prisão, além da perda do cargo e o pagamento de multa, mais o ressarcimento ao erário.

 

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas