Ministério Público consegue condenação de mulher acusada de tramar morte de esposo

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

Depois de mais de 15 horas, terminou o julgamento, no Fórum Desembargador Jairo Maia Fernandes, no Barro Duro, em Maceió, de Marineide Leite Cavalcante de Almeida, Jedson da Silva Ferreira e Josivênio Manoel dos Santos, todos acusados do homicídio que vitimou, em 2012, José Roberto Cavalcante de Almeida, esposo da ré. Marineide e Josevânio foram condenados a mais de 21 anos de reclusão. O Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) teve na acusação os promotores de Justiça José Antônio Malta Marques e Leonardo Novaes Bastos, que sustentaram a tese de homicídio duplamente qualificado. O juiz Geraldo Amorim, da 9ª Vara Criminal da Capital, foi quem presidiu o júri.

“O Ministério Público, desde o princípio, acreditava na condenação dos réus, haja vista que tínhamos nos autos elementos suficientes em relação ao assassinato. A acusada, à época esposa da vítima, contratou Josivênio e o Jedson para que eles cometessem o crime”, afirmou o promotor de Justiça Leonardo Novaes.

Finalizado o julgamento, os réus Marineide Leite Cavalcante de Almeida e Josivênio Manoel dos Santos foram condenados. O tribunal do júri acatou a tese da acusação, feita pelos promotores de justiça. Eles foram submetidos as penas de 21 anos e 4 meses e 21 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, respectivamente. Já com relação a Jedson da Silva Ferreira, os jurados, por maioria de votos, reconheceram a participação dele no crime, mas decidiram por absolvê-lo.

Em sua acusação, o Ministério Público alegou que Jedson e Josevânio deveriam ser condenados por homicídio duplamente qualificado, por motivos de emboscada e promessa de recompensa paga. Já Marineide, pela motivação torpe e emboscada.

O caso


Quando o homicídio foi praticado, À época, Marineide Leite Cavalcante de Almeida, Jedson da Silva Ferreira e Josivênio Manoel dos Santos, foram acusados de planejar e executar o crime por meio de uma emboscada. Os autores materiais teriam sido contratados pela esposa pelo valor de R$ 3 mil. José Roberto Cavalcante de Almeida, tinha 44 anos e foi morto a tiros nas imediações do local do trabalho.

Jedson e Josevânio foram enquadrados nas qualificadoras de emboscada e promessa de recompensa paga, enquanto Marineide, por motivo torpe e emboscada.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas