Ministério Público firma TAC com órgãos públicos, de segurança e associações para ajustar festa junina no Jaraguá

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

Visando a organização e segurança das festividades juninas, especificamente no bairro do Jaraguá, em Maceió, o Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) por meio da Promotoria de Justiça do Consumidor, se reuniu, na manhã desta segunda-feira (14), com representantes de órgãos públicos municipais, bem como da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, além de associações comunitárias para discutir e instituir regras elencadas num Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que por eles foi celebrado.

A empresa responsável pelo evento, Branco Promoções de Eventos e Editora Musical Ltda, terá de apresentar, pelo menos 30 dias antes da festa, o projeto ao Corpo de Bombeiros. Este deverá conter da capacidade de público à iluminação, entre outros detalhes que serão avaliados. Até 25 de maio a empresa também deve enviar o planejamento elétrico à Secretaria de Iluminação de Maceió (SIMA) e à Eletrobras. Caso o projeto seja aprovado pelo Bombeiros, a vistoria do local ocorre no dia 21 de junho.

Dentre as 26 cláusulas, a Polícia Militar disponibilizará um ônibus para monitoramento de imagens internas do evento e também dará apoio aos agentes de trânsito na questão dos pontos de interdição nas adjacências. Já o Corpo de Bombeiros deixará à disposição uma viatura de suporte para quaisquer emergências. Foi definida no TAC a proibição de pessoas portando arma de fogo e branca, isopor, garrafas de vidro, caixas e bolsa térmicas, braseiros e coolers.

“Como procedemos para os demais eventos, a pretensão é a de garantir uma organização segura evitando qualquer tipo de transtorno. O Ministério Público elaborou um TAC específico, já que a festa do Jaraguá é a centralizada e que sempre comporta maior público. Por essa razão decidimos tratar dele a parte e esperamos que as regras sejam rigorosamente cumpridas, da segurança à higienização”, afirma o promotor de Justiça Max Martins.

A empresa responsável ficou incumbida de providenciar a instalação de 110 banheiros químicos e a Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) de mais 10. Ademais, também restou definida a instalação de câmeras de monitoramento; instalação de telão para acompanhamento do público externo; instalações de pontos elevados de monitoramento; catracas eletrônicas para contagem de público, entre outros pontos.

“Temos de detalhar tudo para não corrermos o risco de registrar incidentes e acidentes. Logo, discutimos e aprovamos a questão da contratação de bombeiros civis, vigilância privada, a questão da acomodação de alimentos seguindo as normas da vigilância sanitária entre outros”, ressalta Max martins.

Para a vigilância privada ficou acertado o número de 50 homens com detectores de metais para revista pessoal, esta sendo feita com o acompanhamento de militares.

O descumprimento de qualquer cláusula ou obrigações por parte da empresa implicará em multa de R$ 20 mil. No caso dos signatários representantes dos órgãos públicos que participaram da audiência, o pagamento de multa, no caso de ignorar os compromissos assumidos ,será de R$ 10 mil.

Foto: Anderson Macena

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas