Ministério Público participa da solenidade de encerramento do lixão em Chã Preta

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) participou, nesse domingo (11), da solenidade de encerramento do lixão na cidade de Chã Preta. No ano passado, na Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), em reunião com o procurador-geral e promotores de Justiça ficou acordado que, até o dia 05 de abril deste ano, todos os lixões do estado de Alagoas devem ser desativados. O coordenador do Centro Operacional de Apoio às Promotorias de Justiça (CAOP), promotor de Justiça José Antônio Malta Marques, e o promotor de Justiça da cidade, Anderson Cláudio Barbosa, dividiram o momento com autoridades políticas e a população de Chã Preta.

“Dentro das nossas possibilidades temos acompanhado os encerramentos dos lixões dos municípios alagoanos. Os prefeitos assumiram um termo de compromisso perante o Ministério Público e têm dado demonstração de que cumprirão. E, a partir do dia 5 de abril, Alagoas será um estado sem lixões”, ressalta o coordenador do CAOP, promotor José Antônio Malta Marques.

No Estado, existem quatro aterros sanitários sendo um em Maceió, um no Pilar, um na grande Arapiraca e outro em Olho D'Água das Flores.

“De imediato, o encerramento desses lixões proporcionam melhor qualidade de vida dos munícipes com mais saúde, além da recuperação da fauna e da flora”, afirma Malta Marques.

Durante o evento, o promotor de Justiça Anderson Cláudio Barbosa, também fez uso da palavra.

O encerramento do lixão constitui um marco importante em defesa do patrimônio ambiental sendo determinante para a fauna e a flora do município de Chã Preta. Com isso, será dado um tratamento correto aos resíduos sólidos recolhidos na cidade beneficiando também a comunidade local”, declara o promotor Anderson Cláudio.

Em 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) determinou que fossem utilizados sanitários em vez de lixões a céu aberto nos municípios brasileiros. Como 60% das prefeituras não conseguiram cumprir, tiveram outra oportunidade. Além de serem nocivos ao meio ambiente, os lixões podem comprometer a saúde de catadores que, diariamente, recolhem material desses locais insalubres, sem a menor proteção e correndo risco de contaminação e doenças.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas