Ministério Público reúne órgãos público e organizadores do Maceió Verão para garantir mudanças estruturais no evento

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor reuniu, nesta quarta-feira (10), representantes de órgãos públicos e da empresa Branco Promoções de Eventos para a assinatura de um termo aditivo ao termo de ajustamento de conduta (TAC), estabelecido na semana passada e que disciplinava a estrutura do Maceió Verão. O objetivo é evitar cenas como as registradas no último sábado (6) e assegurar que o cidadão possa ir ao evento com mais tranquilidade.

No documento, ficaram acertado mudanças na entrada do evento, que terá os portões abertos mais cedo, a partir das 15h. Serão colocadas catracas eletrônicas de monitoramento para contagem do público, que não deve ultrapassar 18.200 pessoas. Ao tingir esse quantitativo os locais de acesso aos shows serão fechados.

Entretanto, para contemplar o público que ficar de fora do espaço fechado, a empresa organizadora do festival se comprometeu em instalar um telão em uma das ruas próximas. Ainda há a possibilidade de outro telão transmitir o evento na praça Marcílio Dias, que fica em frente a Capitania dos Portos.

A segurança será reforçada com um maior efetivo da polícia Militar de Alagoas (PM/AL), com equipes da rádio patrulha, policiamento a pé e conjuntos do regimento da cavalaria. Além disso, serão disponibilizadas equipes da Guarda Municipal e SMTT, que ficarão responsável em fazer a segurança do alambrado que cerca a arena onde acontece as apresentações artísticas.

Câmaras de segurança irão ser instaladas em todo o local do evento e as imagens serão recepcionadas por um ônibus equipado e disponibilizado pela PM/AL. Torres com policiais serão construídas dentro do estacionamento do Jaraguá para que os policiais tenham uma visão ampla do público.

“Acreditamos que estes ajustes poderão evitará cenas como as que assistimos na semana passada. Um maior controle da entrada, para se ter o público certo dentro do espaço fechado, correções na estrutura e na segurança também evitarão tumultos. Sabemos que o povo alagoano é ordeiro e não vai deixar que acontecimentos dessa natureza voltem acontecer. Trabalharemos para que tudo ocorra da melhor maneira possível, e os cidadãos possam ter seus momentos de lazer”, disse o promotor de justiça Max Martins.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas