Ministério Público propõe Ação Civil Pública em face do Município de Boca da Mata buscando a nomeação de candidatos aprovados em concurso público

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A Promotoria de Justiça de Boca da Mata propôs, nesta sexta-feira (5), ao Juiz de Direito daquela Comarca, Ação Civil Pública cominatória de obrigação de fazer para que a Prefeitura exonere contratados temporários e comissionados e nomeie aprovados em concurso público. O processo seletivo teve início em 2012, foi homologado em 2014 e teve o seu prazo de validade prorrogado por mais dois anos.

Conforme o Promotor de Justiça Bruno de Souza Martins Baptista, das dezenas de candidatos aprovados à época, alguns ficaram sem nomeação. Insatisfeitos, os aprovados denunciaram ao Ministério Público Estadual (MPE/AL) que, durante todo período de espera, o prefeito teria feito contratações de funcionários temporários e cargos comissionados fora das hipóteses legais.

“Solicitamos à Prefeitura que se manifestasse a respeito de tais irregularidades e esta negou haver contratações fora das hipóteses legais. No entanto, analisando os documentos juntados aos autos, a Promotoria detectou que resta claro que existe grande quantidade de contratados temporários e cargos em comissão que não se enquadram nas hipóteses legais de cabimento, já que a regra é a admissão funcionários somente através de concurso público. Não se pode fazer com que hipóteses excepcionais de admissão se tornem regra dentro da administração pública e permitam a preterição de candidatos aprovados em concurso público, ressalta o promotor Bruno Baptista.

Por fim, o Ministério Público requereu à Justiça o julgamento procedente da presente Ação Civil Pública, a fim de condenar a parte requerida para que exonere todos os contratados temporários e comissionados fora das hipóteses legais de cabimento e que sejam substituídos pelos aprovados no certame, além do retorno dos servidores desviados para o exercício das funções correspondentes aos cargos que ocupam.

O promotor também pede que o Município réu apresente, por meio de certidão, a quantidade exata de contratados temporários e comissionados em cada setor, para que possa verificar o abuso e as irregularidades de tais contratações.

A regularização da situação é benéfica também para o Município, já que evita que ações judiciais sejam propostas pelos servidores desviados de função, a fim de terem suas remunerações elevadas”, frisa o Promotor de Justiça.

 

Também foi sugerido a aplicação de multa diária, em caso de descumprimento pela prefeitura, com valor a ser estipulado pela Justiça.

 

Foto: Claudemir Mota

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas