MPE/AL vai a Marechal Deodoro para averiguar suspeitas de irregularidades na distribuição de donativos e mantimentos para desabrigados da chuva

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A comissão instituída pelo Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) para fiscalizar possíveis fraudes com doações e recursos destinados às vítimas das chuvas foi ao município de Marechal Deodoro, nesta sexta-feira (16), averiguar denúncias de que comida estragada tenha sido servida aos desalojados da enchente ocorrida no mês passado. Também havia suspeita de que a água recebida como doação estava sendo mal acondicionada e perdendo qualidade.

A visita foi chefiada pelo coordenador da comissão, promotor de Justiça José Antônio Malta Marques, e acompanhada pelo promotor de Justiça de Marechal Deodoro, Silvio Azevedo. Depois de ouvirem algumas famílias afetadas e representantes da Prefeitura daquele município, foi decidido que o órgão ministerial requisitará à Polícia Civil a abertura de inquérito com o objetivo de apurar a denúncia de que haveria comida deteriorada sendo entregue às vítimas.

“Constatamos que não há perda da qualidade da água doada. O que ocorre é que alguns botijões estão sujos e isso dá a impressão da água estar barrenta, ou coisa parecida. Mas todos observamos que os vasilhames estão com sua integridade conservada. O que achamos foi um pequeno desajuste na logística de entrega desse material. Solicitamos à prefeitura que aprimore isso para que não falte água ou qualquer tipo de estrutura para as pessoas que ficaram sem suas casas”, disse o coordenador da comissão.

Quanto ao fornecimento de suposta alimentação estragada, os promotores de Justiça afirmaram que é preciso apurar a denúncia com mais profundidade. “Ouvimos os representantes da gestão do município e as pessoas que estão abrigadas nas escolas. Cada um tem uma versão da história. Mas essa é uma situação que precisa ser investigada com bastante cuidado, não podemos achar que foi apenas um engano ou um descuido. Temos que saber o que aconteceu de fato. Essa investigação ficará a cargo do promotor de Justiça do Marechal Deodoro, que terá total apoio da comissão em sua decisão”, completou o presidente da comissão.

O promotor de Justiça de Marechal Deodoro, Silvio Azevedo, afirmou que requisitará à Polícia Civil abertura de inquérito para investigar a denúncia. “O fato é que algumas marmitas estavam com larvas, demonstrando que a comida estava totalmente estragada.  Por isso, o café da manhã e o almoço foram jogados fora ontem. Vimos isso em algumas filmagens e fotos. Para saber o que aconteceu de fato, requisitaremos a abertura de inquérito à Polícia Civil. É preciso investigar se o fato ocorreu por negligência na manipulação dos alimentos ou foi um ato criminoso. Qualquer que tenha sido o motivo precisamos encontrar o responsável”, enfatizou Sílvio Azevedo.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas